sábado, 1 de fevereiro de 2014

CANGOTE

Boca que morde
Barba que arranha

Arrepio provocante
Perfume que entranha

É queixo na nuca
Tensão que derrama

Cangote de moça
Pescoço que assanha

Por Diogo Damasceno Pires em 31 de janeiro de 2014.
Dedicado a Dienniffer Figueiredo, amiga do cangote mais cheiroso que conheço, rs

Um comentário:

Juliane Botelho disse...

cangote é cangote! Tenha vários cangotes!